A adaptação do mangá Death Note é provavelmente uma das produções mais aguardadas do ano na programação da Netflix.

Dirigido por Adam Wingard, que iniciou a carreira fazendo filmes de terror independentes, o longa tem sido alvo de diversas polêmicas, que vão desde acusações de racismo a petições de boicote.

Apesar de ter lido o mangá, Wingard afirma que foram necessárias mudanças significativas para deixar a história mais palatável ao público americano, admitindo que os personagens terão pouco em comum com os do mangá, com exceção ao shinigami Ryuk.

Em entrevista ao Yahoo Movies UK, o diretor afirmou que preferiu dar vazão às suas próprias visões criativas ou invés de ser totalmente fiel ao material original para evitar comparações negativas.

A rota que escolhemos foi “Vamos fazer disto o ‘Death Note de Adam Wingard'”, e não uma versão meia-boca de algo que já existe.

Adam Wingard nos bastidores de ‘Death Note’.

Fãs mais puristas da obra original ficaram particularmente irados após a divulgação do elenco e dos primeiros trailers e imagens promocionais. No entanto, Wingard disse que a reação não foi inesperada, assegurando que não se importa com as tentativas de intimidação.

Certos fãs têm diferentes expectativas e os mais militantes não ficarão satisfeitos se você não adaptar tudo literalmente, palavra por palavra.

Me conformei com o fato de que nunca conquistaremos todos os fãs, e haverá pessoas que simplesmente sequer gostarão da própria existência do filme. No instante em que entrei para o filme, imediatamente surgiram fãs irados de Death Note me dizendo que eu arruinei Death Note, antes mesmo de termos terminado o roteiro, antes de termos escolhido os atores. Entendo a paixão das pessoas e suas opiniões, então não levo para o lado pessoal quando as pessoas me mandam ameaças de morte ou mandam eu ir me f***r e coisas do tipo no Twitter.

Porque eu sei que estas opiniões não são baseadas no nosso trabalho com o filme. Ninguém viu o filme ainda. Na verdade, tivemos uma experiência interessante nas prévias de teste do filme, onde algumas pessoas o assistiram e escreveram suas opiniões em cartões e várias delas admitiram que foram ver o filme acreditando que iriam odiar, mas ficaram agradavelmente surpresas em ver que é algo novo. O filme vai conquistar algumas pessoas, não vai conquistar outras, mas não é possível agradar a todos.

Death Note certamente não agradou vários jornalistas e críticos. O filme têm recebido duras críticas da imprensa especializada, obtendo apenas 36% no Rotten Tomatoes.

Death Note conta a história de Light Turner (Nat Wolff) um estudante de Seattle que se depara com um caderno sobrenatural jogado na terra por Ryuk (Willem Dafoe), que lhe dá a habilidade de matar qualquer pessoa, desde que saiba seu nome e seu rosto. Light decide usar o poder do Death Note para livrar o mundo de malfeitores com a ajuda de sua namorada, a líder de torcida Mia Sutton (Margaret Qualley). No entanto, ele  é antagonizado pelo misterioso detetive “L” (Keith Stanfield), que acredita que Light é apenas um criminoso comum e está determinado a detê-lo.

Death Note estreou na Netflix em 25 de agosto de 2017.

 

Fonte Yahoo